Título: Sob os olhos do delírio

Autor: Fábio de Andrade

Editora: Amazon

Páginas: 28

Ano: 2017

Sinopse: O que um senhor solitário assistindo uma garotinha sendo dilacerada por um demônio saltitante, um velho apaixonado e Nikolai, o enfermeiro do hospício Muskov, têm em comum? Nessa antologia, Fábio de Andrade afoga seus leitores em um mar de agonia enquanto os três infelizes protagonistas só conseguem distinguir a vida da morte enquanto o delírio não tiver consumido por completo seus corpos. Dilemas de desespero, amor e horror são expostos da forma mais simples e poética da palavra, trazendo três situações em que ele deixa na mão do leitor decidir: A tristeza é causa ou consequência? Deixem que José de Alencar, o enfermeiro Nikolai e o velho marido de Lúcia lhe mostrem o real significado da melancolia em momentos que convergem no sentimento mais antigo e verdadeiro que a raça humana possui: o medo.

*livro recebido em parceria com o autor

Oii gente, tudo bem com vocês? Hoje vou contar para vocês sobre o primeiro livro de contos que li esse ano, "sob os olhos do delírio" que contém três contos, de terror que se chama "o horrível fim de José Alencar", drama " em casa " e por fim um de mistério "obmen-01".

O primeiro conto chamado de "O horrível fim de José de Alencar" é o de terror. Aqui conheceremos a vida do José, um senhor solitário que decide dar uma volta no parque após ganhar uma folga do trabalho.  Em suas andanças ele se depara com uma casa que lhe chama a atenção, ao constatar que esta parecia vazia, ele resolve entrar e conferir o que há naquela casa de tão diferente. Ao caminhar por dentro da casa coisas bizarras e estranhas acontecem com o senhor, ele mal sabia que a sua inocência e curiosidade mudaria para sempre sua vida. Eu não vou me estender muito, pois a surpresa ao leitor vem dele descobrir junto com o protagonista as obscuridades que a casa sobrenatural vermelha esconde. Gente, fui pega desprevenida, a criatividade do autor foi incrível ao narrar as "estranhezas" que a casa guardava, e senti um pouco de medo ao ler esse conto. O final foi na minha opinião condizente com tudo o que o protagonista viveu naqueles minutos de terror.

"Escrevo, como fuga... como alívio para meu pensar e minh'alma, que agora estão prestes a sucumbir em tormento ao horror que vivenciei. As fartas doses de álcool já não me iludem como outrora. O ópio e a maconha já perderam seus flertes e toda a dissimulação que sentia no torpor da inconsciência."

O segundo conto chamado "Em casa" vai ser um romance ( olha que reviravolta) e digamos que é um romance um tanto quanto sentimental e bucólico. Nessa história conheceremos Alfredo que após 10 anos resolve voltar para a sua amada Lúcia, acompanharemos então o protagonista nessa visita a sua esposa, a sua volta para a casa. Com uma linguagem poética o autor nos deixa maravilhado com a grandeza de tudo que é narrado, ao final fiquei com uma sensação de perda, uma dorzinha no coração, um conto lindo em que me emocionei em poucas páginas, com certeza o meu favorito.

"Seus lábios selaram os meus novamente , trazendo a recordação de sua voz dizendo que daqui a pouco já estaríamos em casa."

O último conto chamado de "Obmen-01" foi na minha opinião o mais surpreendente. Aqui conheceremos Nikolai que é um enfermeiro que trabalha em um hospício russo, ele acaba se apaixonando por uma paciente, a Nadezkha, porém ela parece fazer parte de um experimento secreto, Nikolai tentará a todo custo salva-lá. E, gente do céu, até agora não entendi direito o que aconteceu hahaha, nesse caso  fica a critério do leitor entender o fim e acredito que é passível de várias interpretações, por se passar em um manicômio acredito que o escritor quis passar essa confusão e loucura para o leitor e brincar com a nossa mente, fica claro que loucura e sanidade andam juntas e se confundem.  Terminei a leitura sem saber o que pensar a respeito de tão confuso que tudo foi ( confuso no sentido bom, se é que isso é possível ) .

"Foi então que percebi que a loucura e a paixão são duas irmãs egocêntricas."

Finalizei a leitura maravilhada, principalmente com a escrita do Fábio, uma escrita ora poética, bem construída, repleta de figuras de linguagem ora confusa, com um turbilhão de acontecimentos e misteriosa. A cada conto lido uma sensação diferente me preenchia, o que foi  incrível, pois é nítido o quanto o escritor tem várias facetas.

"Sob os olhos do delírio" é uma leitura mais do que recomendada, principalmente se você gosta de antologias, em poucas palavras Fábio transporta o leitor para dentro da história, com uma escrita que me surpreendeu por ser tão completa e desenvolvida. E, se preparem para um misto de emoções desde do medo, passando por amor e indo para a confusão, um livro ótimo.



Espero que tenham gostado da resenha.- Beijos, Carol!



Título: Confissões de inverno

Autora: Brendan Kiely

Editora: Arqueiro

Páginas: 224

Ano: 2015

Sinopse: À medida que sua família se desintegra, Aidan Donovan, um adolescente de 16 anos, procura consolo em estimulantes químicos, no estoque de bebidas do pai e nas atenções do padre Greg, o único adulto que realmente o escuta. O Natal chega e seu mundo entra em colapso quando ele reconhece o lado obscuro do afeto que o padre Greg lhe dedica. Enquanto tenta dar sentido à própria vida, Aidan conta com o apoio de um grupo de amigos desajustados: Josie, a garota por quem se apaixona; a rebelde e espontânea Sophie; e Mark, o carismático capitão da equipe de natação. Confissões de inverno mostra as formas pelas quais o amor pode ser usado como uma arma contra a inocência – mas também pode, nas mãos certas, restaurar a esperança e até a fé. O corajoso romance de estreia de Brendan Kiely expõe o mal que os segredos mais profundos que guardamos podem causar e prova que a verdade liberta e abre caminho para o amor.

Oii gente, tudo bem com vocês? Hoje vou comentar sobre "Confissões de inverno" um livro que talvez tenha sido um dos mais fortes que li esse ano, me senti impactada e com um misto de sentimentos que eu nem consigo explicar direito. Aqui lidaremos com o abuso sexual.

Acompanharemos a história de Aidan, um adolescente que com os pais separados, sem ter atenção da mãe e sem amigos, procura consolo e suporte em estimulantes como remédios, drogas e bebidas alcoólicas. A única pessoa que parece se preocupar com ele é o padre Greg, que o escuta e sempre tem um conselho para lhe dar. Aidan, sente que pode confiar no padre e que ele é o seu amigo. Mas, com o tempo, o adolescente percebe que há algo de errado em toda essa preocupação e "carinho" que o padre tem com ele, ele precisa rever o que realmente está acontecendo.

"O problema é que nem sempre a gente escreve a própria história. Você participa da história dos outros e fica sem resposta quando se pergunta por quê. Você não tem controle , porque as forças em ação são grandes demais para enfrentar e, às vezes, até para entender."

O livro se inicia com a festa de natal dada pela mãe de Aidan, o leitor vai descobrir no decorrer da trama como é a vida do protagonista, o porquê dos seus pais terem se separado , a relação dele com o padre Greg e a amizade  que ele faz com os meninos da sua escola: Josie, Sophie e Mark, e o uso contínuo de drogas como uma forma de escape dos seus problemas.

Brendan, traz ao leitor em uma linguagem simples e em primeira pessoa, uma história "pesada", sincera e repleta de drama do que uma vítima de abusos sexuais enfrenta, e acredito que por ser em primeira pessoa o leitor sente ainda mais o impacto de tudo aquilo que o protagonista está passando, cada angústia, cada medo e cada tristeza. Além disso, o autor de uma forma minimalista mostra o papel de cada personagem que vive em torna de Aidan, o enredo é bem desenvolvido por não ficar preso somente ao adolescente, mas por mostrar também como cada personagem tem um papel significante e o quanto o abuso afeta as pessoas ao redor.

"Confissões de inverno" é um livro impactante, verdadeiro e doloroso. Ao ler senti um misto de sentimentos que vão desde tristeza até revolta. Brendan com uma linguagem simples, não escancara o abuso para o leitor, tudo é colocado de maneira sútil e aos poucos. Ao longo da leitura é possível ver as fases que o protagonista enfrenta começando pela negação de achar que o abuso é algo normal e uma forma de carinho até chegar ao ponto de ter a coragem de denunciar. E, com certeza, a maior lição que o livro nos passa é que o amor e a fé podem ser usadas para o bem, mas também podem ser usadas para o mal, para machucar, como forma de abuso. Uma leitura que me marcou muito e que eu recomendo demais.

"Era só isso que eu queria: uma sensação de estabilidade , de completude, uma garantia de que qualquer medo poderia ser desfeito, de que a solidão era uma doença que se curava quando a expiração do outro se tornava a minha inspiração e, juntos, nenhum de nós jamais se sentiria só."








Oii gente, tudo bem com vocês? Bom, para quem não sabe eu faço Direito, estou no 7º período do curso, e minhas aulas voltaram essa semana, então resolvi mostrar o material que eu pretendo usar esse ano. Faculdade a gente não usa tanta coisa igual na escola, mas até que tem umas coisas legais no meu material.

Como boa estudante de direito não pode faltar o vade mecum no nosso material, uso ele sempre, mas na faculdade levo a versão digital no celular ou no kindle porque fica mais fácil de carregar, o meu é versão de 2016 mas por enquanto ele etá sendo útil.

Resolvi que esse ano iria usar fichário, queria um mais simples e menor também, acabe achando esse da tilibra e foi amor a primeira vista hahahaha amo estampa de bolinhas.

Continuo com o mesmo estojo do ano passado, amo essa estampa floral dele, e o bom é que ele é bem espaçoso, dá para levar tudo que eu preciso.

De canetas estou levando essas cinco, eu só escrevo de caneta preta e uso uma colorida para títulos e coisas importantes, a primeira da esquerda para a direita é da Faber Castell, depois vem uma preta e rosa da Stabilo (amo essas canetas) e duas da Pilot (que são super macias para escrever).

De marca textos eu gosto desse de tom pastel da Stabilo, e tenho esse rosa neon da Jocar, eu vou intercalando o uso entre eles. Estou levando duas lapiseiras, ambas da Faber e 0.7, a roxa eu tenho faz uns três anos e é maravilhosa (ainda mais para mim que escrevo forte) e a rosa eu comprei esse ano porque achei linda.

E aqui tem os extras, post-it de várias cores e que eu uso muuuuito durante as aulas e nos meus resumos, cola, tesoura, grampeador, clipes e de bônus um hidratante labial porque ás vezes minha boca fica meio seca hahahaha.

E por último, resolvi substituir a mochila por bolsa esse ano, até porque moro pertinho da faculdade então dá para levar tudo sem cansar, e eu queria uma bolsa desse jeito mesmo, grande e neutra, e estou amando, tá super funcionando para mim. 


Bom gente, esse foi meu material escolar, tem pouco coisa e está bem simples, mas espero que vocês tenham gostado. E as aulas de vocês já começaram? estão animados?
-Beijos,Carol!

























Título: Sejamos todos feministas

Autora: Chimamanda Ngozi Adichie

Editora: Companhia das Letras

Páginas: 63

Ano: 2014

Sinopse: O que significa ser feminista no século XXI? Por que o feminismo é essencial para libertar homens e mulheres? Eis as questões que estão no cerne de Sejamos todos feministas, ensaio da premiada autora de Americanah e Meio sol amarelo. "A questão de gênero é importante em qualquer canto do mundo. É importante que comecemos a planejar e sonhar um mundo diferente. Um mundo mais justo. Um mundo de homens mais felizes e mulheres mais felizes, mais autênticos consigo mesmos. E é assim que devemos começar: precisamos criar nossas filhas de uma maneira diferente. Também precisamos criar nossos filhos de uma maneira diferente." Chimamanda Ngozi Adichie ainda se lembra exatamente da primeira vez em que a chamaram de feminista. Foi durante uma discussão com seu amigo de infância Okoloma. "Não era um elogio. Percebi pelo tom da voz dele; era como se dissesse: ‘Você apoia o terrorismo!’". Apesar do tom de desaprovação de Okoloma, Adichie abraçou o termo e - em resposta àqueles que lhe diziam que feministas são infelizes porque nunca se casaram, que são "anti-africanas", que odeiam homens e maquiagem - começou a se intitular uma "feminista feliz e africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e salto alto para si mesma, e não para os homens". Neste ensaio agudo, sagaz e revelador, Adichie parte de sua experiência pessoal de mulher e nigeriana para pensar o que ainda precisa ser feito de modo que as meninas não anulem mais sua personalidade para ser como esperam que sejam, e os meninos se sintam livres para crescer sem ter que se enquadrar nos estereótipos de masculinidade. Sejamos todos feministas é uma adaptação do discurso feito pela autora no TEDx Euston, que conta com mais de 1 milhão de visualizações e foi musicado por Beyoncé.

Oii gente, tudo bem com vocês? Bom, como muita gente sabe o feminismo vem ganhando espaço e cada vez mais vemos o assunto ser debatido. Eu sei "bem por cima" do que se trata o assunto, não sou a melhor pessoa para falar sobre, mas a essência dele de tratarmos com igualdade e respeito homens e mulheres é o que me chama tanto a atenção. Em busca de tentar entender melhor o feminismo resolvi ler algo que abordasse o assunto, porém que fosse algo leve e rápido. Eu já tinha ouvido falar super bem da Chimamanda e do seu livro "Sejamos todos feministas", resolvi colocar ele para ler na maratona e fiquei apaixonada.

Esse livro é uma adaptação de uma palestra que a autora deu, e por ser curtinho eu não vou me estender muito aqui. Nessa obra, a Chimamanda conta de forma resumida como ela conheceu o feminismo, as suas experiências, o que o feminismo defende e as críticas que muitas pessoas fazem sem conhecer o verdadeiro significado do movimento.

"O problema da questão de gênero é que ela prescreve como devemos ser em vez de reconhecer como somos. Seriamos bem mais felizes, mais livres para sermos quem realmente somos, se não tivésssemos o peso das expectativas do gênero."

A leitura me prendeu logo no início, a escritora narra e desenvolve o tema extremamente bem em poucas páginas. E eu que sou leiga em relação ao assunto consegui compreender melhor o significado e qual é o objetivo do movimento, em nenhum momento achei o livro cansativo por não ter uma "historinha" ou algo assim.

"Sejamos todos feministas" é aquele livro que indico se você não sabe nada sobre o assunto, porque a Chimamanda te dá uma verdadeira aula (mesmo que resumida) sobre, mas também eu indico para você que sabe sobre o assunto e gosta de ler novos pontos de vistas. O livro é interessante, atual, leve e fácil de ler. Fiquei encantada com a escrita da autora ao trazer um tema mais teórico de forma dinâmica. Recomendo demais a leitura.

"A questão de gênero é importante em qualquer canto do mundo. É importante que que comecemos a planejar e sonhar um mundo diferente. Um mundo mais justo. Um mundo de homens mais felizes e mulheres mais felizes, mais autênticos consigo mesmos."



Título:  A herdeira

Autor: Sidney Sheldon

Editora: Círculo do Livro

Páginas: 326

Ano: 1986

Sinopse: O autor relata uma história de suspense e aventura que envolve o mundo de crime e conspiração. Elizabeth recebe com a morte do pai Samuel Roffe, uma herança de muito valor tornando-se uma mulher rica e poderosa. Em busca da herança, perseguições, sabotagens e assassinatos começam a acontecer. Um livro apaixonante e intrigante para quem gosta de mistério e emoção.

Oii gente, tudo bem com vocês? Hoje, venho comentar um pouco sobre o que achei do livro "A herdeira" do Sidney Sheldon, quem me acompanha sabe que eu sou fã do autor, por ele sempre trazer nas suas obras histórias de suspense e investigação, que vão além disso, sempre tem romance, aventura, uma análise psicológica dos personagens, abordagem de temas comuns da nossa sociedade, é sempre satisfatório para mim pegar um livro do Sheldon e já me encantar e ficar absorvida pela história logo nas primeiras páginas, e com A herdeira não seria diferente.

Nesse livro conheceremos a história de Elizabeth, uma jovem que acaba de perder o pai em um "acidente" e recebe de herança uma empresa de produtos farmacêuticos, além de mansões e carros. No início da leitura acompanhamos o momento em que a protagonista recebe a notícia do falecimento do seu pai, a partir desse instante ela começa a retroceder durante anos atrás e explica como era a relação com o pai. No entanto, a relação entre eles nunca foi boa , Elizabeth sempre tentou impressionar um pai que era ausente e além disso ela se sente culpada pela morte da mãe que morreu ao dar a luz à ela. 

A protagonista precisa lidar com o luto e acima de tudo com o rumo das empresa, já que ela é a nova diretora. Contudo Elizabeth acaba descobrindo que talvez a morte do pai tenha sido premeditada e todos que trabalham na direção teriam algum motivo para querer a morte de Samuel, e ela percebe pode ser a próxima da lista. Em uma luta contra o tempo e pela sua própria vida, Elizabeth parte em busca de respostas sem poder confiar em ninguém. Quem é o assassino? Em quem confiar?

"Nunca se deve deixar uma raposa entrar num galinheiro, por mais amistosa que se mostre. Um dia, ela pode ficar com fome."

Sidney conduz o leitor numa história com muita ação e aventura, e nos coloca na pela da protagonista, sem saber em quem confiar e no que fazer. Com uma escrita maravilhosa, narrado em terceira pessoa, o livro nos prende desde do início e a leitura é rápida já que o leitor fica curioso para saber qual será o desfecho e o verdadeiro culpado. Não posso deixar de citar o fato de que o escritor não deixa pontas soltas ao narrar os possíveis culpados, mostrando que cada um teria motivos e poderia ter praticado o crime.

Algo que me incomodou no livro foi que no início é contado como a família de Samuel que até então era pobre conseguiu se tornar rica e poderosa, e ao narrar esse fato o autor volta há muitos anos atrás na época do bisavô de Elizabeth, nesse momento a leitura fica arrastada, pois nessa parte o autor narra tudo detalhadamente, apesar de ser uma parte importante para o enredo e para situar o leitor dentro da realidade vivida ali pelos personagens. Outro ponto que não me agradou tanto, foi que o verdadeiro culpado não foi uma surpresa para mim, e mesmo eu elogiando o autor por ter construído tão bem esses personagens eu acabei adivinhando antes de terminar o livro.

"A herdeira" é um suspense, com aventura, sabotagens, traições, investigações é uma pitada de romance, Sidney em poucas páginas constrói personagens com motivos suficientes para cometer um crime, e o leitor é "preso" ao livro desde o início, curioso para saber o desfecho da história. Apesar de ter descoberto quem era o culpado e com algumas partes do livro mais lentas, eu recomendo muito a leitura para quem quer se aventurar em um suspense leve e bem escrito.

"Mas que mal havia, pensava Elizabeth, em amar alguém profundamente? Que importância tinha que se tratasse de um homem ou de uma mulher? O importante não era o amor?"



Espero que tenham gostado da resenha.
- Beijos, Carol!